Cidadania Jataiense

Ouça o discurso




Senhor Presidente,

Senhoras e Senhores Vereadores,

Amigas e Amigos aqui presentes,


Gostaria de iniciar minha fala como um pensamento de Ronaldo Cunha Lima.

“Pressentindo emoções, que hão de vir,


Temo não preencher os seus espaços.

Vou dividir meu ser e ser pedaços,

Substabelecendo o meu sentir.

Cada parte de mim vai se incumbir

De uma só emoção, definir traços,

Dizer do ajustamento dos abraços

E tudo, fielmente, traduzir.”

Hoje, o cenário Jataiense, mais uma vez, descortinou o meu dia; aqui, “onde o azul do céu, é mais cor de anil… onde o Sol parece mais gentil”, é “a porta da Produtividade deste país tropical… Somos a mata verde, a esperança, somos uma cidade única”

Aqui, vivi, investi, conquistei, perdi, renasci, descobri, criei e aprendi….

Douradense de nascimento e sul Matogrossense por destinação, fui conduzido para Jatai por um sentimento maior.

Sempre preconizei o meu amor por Jatai. E pensei comigo mesmo o que eu poderia enfrentar, talvez, as piores provações da vida, mas não suportaria um único dia em que a convicção do meu amor por Jatai, e de Jatai por mim, fraquejasse.

Dourados me deu o berço, e Jatai me deu o coração…

Há muito, as oportunidades dessa cidade já impingiam no meu peito um amor que transpõe as palavras, engrandece-se mais que ações, ultrapassa qualquer plano material… O amor, que não cabe em si, transborda em Jatai, alcançando cada bairro, cada lugar, cada pedaço desta nossa terra abençoada em que participei de alguns planejamentos.

E hoje, recebendo a titulação de filho – que meu coração já detinha – mas que os representantes do povo Jataiense me outorgam, vejo que essa terra me conquistou com seus encantos…

E, nesse trajeto da minha terra natal e essa Jatai impar, trilhei meus passos, sonhei meus sonhos, conquistei vitórias e criei um relacionamento forte e consistente com minha esposa Liane e tive a graça ainda dos meus filhos Frederico e Bruna. E ainda tive a sorte de ser recebido como filho pela família Rezende na pessoa do meu sogro Sr. Mario.

A história, neste caso, subverte a geografia: campo e cidade se abraçam, numa interseção sem curvas, sem distância e sem atalho no mapa dos meus afetos.

Percorri, em meu roteiro sentimental, as lições que recebi de meus pais, observando sempre a sutil diferença entre ser sábio e ser sabido; entre ser oportuno e ser oportunista; entre ser preparado e ser esperto… e a importância de ser reto.

Logo, recebo este Título de Cidadão Jataiense como reconhecimento aos ensinamentos que herdei de Albino Torraca de Almeida, meu pai, e ao amor sem fim de Leci Osorio Carneiro, minha mãe, e dedico a ambos, a Leci e a Albino, essas honrarias, que me permitem, tendo nascido em Dourados, ser Jataiense também.

Agradeço ao Criador por este milagre a nós concedido!

Saber agradecer é uma arte. Às vezes, o maior agradecimento está na frase que não foi dita, no verso que não foi escrito… O agradecimento está na alma e só quem espia da janela do coração pode ver.

O Poeta Ronaldo Cunha Lima costumava dizer que há duas formas de ser cidadão de uma terra: por nascimento ou por titulação, instante histórico em que a gente é escolhido.

É nessa situação – de escolhido – que hoje estou aqui, para ser outorgado e agradecer a iniciativa do jovem e talentoso Vereador Gildenicio dos Santos, homem de princípios cristãos e de sólida formação humanística, que é o autor da propositura que me concede o Título de Cidadão Jataiense.

A cada um dos parlamentares, hoje trilhando caminhos diversos, mas todos unidos pelo sentimento indestrutível de trabalhar incansavelmente por quem mais precisa, meu agradecimento pelo reconhecimento e pela dedicação.

Enfim, hoje como cidadão Jataiense por titulação e coração, expectador do seu desenvolvimento e torcedor de seu fortalecimento, honra-me, a partir de hoje, ostentar esse Título de Cidadão, tributados por esta Casa.

De ação em ação, tenho a certeza de que auxiliei de alguma forma a construir uma concepção de alguns bairros dessa cidade disseminar melhores serviços aos que aqui buscam recantos e encantos.

Estes títulos me servem de incentivo a buscar muito mais!

Muitos querem a conquista de territórios ou a constituição de poderes. Não sou assim. Sou, antes de tudo, um cidadão que busca desafios; sou um coração batendo no mundo, sem “nada a temer, senão o correr da luta; sem nada a fazer, senão esquecer o medo”, como cantou Milton Nascimento.

Meus troféus dessa luta não estão guardados em cofre algum, com senha secreta, eu os conto na memória e na minha convicção.

Agradeço, também, ao presidente desta Casa, Vereador Adilson Carvalho, reconhecido pela habilidade política de convivência com seus pares.

Agradeço, muito especialmente, e todos os vereadores desta Câmara Municipal de Jatai por me permitirem receber esse título por votação unânime.

Porque a verdade é que, de posse das honrarias que ora recebo, sou levado a reafirmar – solene e perenemente – o meu caso de amor com esta cidade.

E, por isso, como na antevisão sentimental do Poeta, vou – de fato e, agora, de direito! – dividir meu ser e ser pedaços / substabelecendo o meu sentir.

Como a vida vale mais pela largura do que pelo comprimento – como eternizou o Poeta –, quero registrar a minha gratidão pela grandeza do gesto e pela largura da honraria a todos aqui presentes.

Valeu a pena acreditar no justo, trilhar o caminho certo, dedicar-me à minha verdadeira vocação. Valeu a pena praticar meu trabalho com muita disciplina.

É, portanto, com humildade, mas com indisfarçável contentamento, que me somo à grande família Jataiense, certo de que todos nós sentimos profundo orgulho de nossas raízes.

Mais do que guardar este momento, saberei reconhecer o gesto de todos que me possibilitaram esta alegria, esta honra, esta distinção e este presente, “Jatai hospitaleira, Abelha do meu coração!”

Ao final, fico com as lições do poeta Mário Quintana: “Quero, um dia, dizer às pessoas que nada foi em vão, que o amor existe, que vale se doar às pessoas, que a vida é bela sim e que eu sempre dei o melhor de mim… e que – tudo – valeu a pena.”

Muito obrigado a todos!

Saúde e paz!

Naldo Almeida

Jatai, 15 de junho de 2014.